Trabalhe menos, trabalhe melhor: 5 passos para desenhar uma ótima semana

Thierry Brunfaut, diretor criativo e partner na Base Design, partilha a sua experiência revelando o plano de ação para otimizar uma semana de trabalho e o tempo.(entrepreneur.com, novembro 2015)

Admita: Quer trabalhar menos. E trabalhar de forma mais inteligente. Quer aproveitar o seu tempo livre, mas precisa de fazer bom dinheiro. E, claro, quer continuar a aprender e desfrutar da sua carreira ao mesmo tempo. Equilibrar a autonomia pessoal com produtividade e trabalho em equipa é um desafio que todos enfrentamos. Existe uma possível solução para esta equação aparentemente impossível?
Na verdade sim. É preciso planeamento, consistência e trabalho em equipa, mas estruturando adequadamente o seu tempo e metodologia de trabalho, poderá ser capaz de ter tudo isso.

  1. Segunda de manhã: Inicie a semana focado.
    Comece por reunir todos os membros de sua equipa numa sala onde em 20 minutos irá analisar os desafios da semana. Cada pessoa escreve seus três desafios pessoais para a semana num post-it, coloca-o na parede e lê em voz alta para o grupo. Estes desafios devem ser objetivos claros com datas de conclusão. Quer sejam de caráter pessoal (Eu quero a minha área de trabalho limpa até amanhã, à noite) ou ligados a outros (eu quero entregar esse projeto para o cliente na quarta-feira ), deverá ser algo que possa ser realizado. Isso funciona porque é um compromisso feito na frente de seus companheiros de equipa. Para manter todos motivados, os post-its permanecerão na parede toda a semana.
  2. Quarta de manhã: Partilhe com os outros.
    No Design Base, nós chamamos a isso reunião criativa, mas pode ser adaptada a qualquer negócio .Aqui todos estão presentes, desde o gerente aos diretores de criação e financeiros, e gastará cerca de três horas a reunir todos os aspetos do negócio. Embora isso possa soar como um tempo demasiado longo, é um processo fundamental para manter a equipa junta. É o momento em que os projetos em curso, descobertas, pesquisas, apresentações são compartilhadas e discutidas. E outras coisas serão compartilhados, bem como: emoções, sentimentos e paixão. O encontro criativo é liderado por uma pessoa (que poderia ser alguém diferente cada semana), que está a cargo da ordem do dia e do tempo.
    É importante realçar que a reunião começa com as inclusões, onde cada participante responde abertamente às três questões seguintes: 1) Qual é o meu humor hoje? 2) Quais são as minhas expectativas para este encontro? 3) O que vou trazer a esta reunião? Como está implícito pelo seu nome, o método de inclusão é uma ferramenta tremenda para incluir todos e dar a todos uma voz de igual importância. A reunião termina, depois das apresentações e debates, com uma mesa redonda de feedback construtivo.
  3.  Quinta-feira : Almoço- Esqueça trabalho. Este é o verdadeiro encontro de bem-estar da semana. É um conceito muito simples: Um membro da equipa toma um rumo cozinhar para o resto da equipe. Não há nenhum trabalho, nenhuma agenda, apenas tempo para desfrutar de uma refeição e da companhia dos seus colegas. O tempo que a equipa gasta no conhecimento uns dos outros como amigos é tão importante como o tempo que passam como colegas de trabalho.
  4.  Sexta à tarde: Olhe para trás.Tempo para uma revisão da semana. A duração é variável. Isto é, quando a equipe se reúne e cada um dá retorno ao post-it de segunda-feira. Será que todos cumprem os seus três desafios? Sim ótimo. Não? Vamos analisar porquê, discuti-lo com os outros e aprender com isso. Lembre-se, o objetivo é trabalhar menos e melhor – e aqui está uma oportunidade para discutir como fazer exatamente isso.
  5. O resto da semana? Autonomia plena.
    Somos todos adultos aqui. Cada membro da equipa é, certamente, maduro o suficiente para organizar o tempo gasto em seus próprios projetos e reuniões, dentro e fora da empresa, e combiná-lo com as exigências de sua vida pessoal de uma maneira que funcione para si. Nenhum julgamento, nem segundas interpretações. Basta entregar um bom trabalho no tempo, e todos estarão felizes.Fazer pontos de situação, permanecer em sintonia, incentivar cada um durante a semana é algo que qualquer empresa pode implementar para ajudar os seus funcionários a permanecerem no caminho certo e alcançarem o equilíbrio entre o seu trabalho e vida pessoal. Ao respeitar estes marcos com disciplina absoluta, você verá a responsabilidade e autonomia elevarem-se naturalmente entre os membros de sua equipa, e essas reuniões tornar-se-ão uma forma essencial e agradável de apoiar o bem-estar e a eficiência de sua equipa.

 

Táticas de reanimação para equipas moribundas

A sua equipa está a ganhar semelhanças aos The Walking Dead? Conheça três vias para ressuscitar a moral dos seus colaboradores! Uma versão americana a conferir localmente!

Por: Christopher Cabrera , Founder&CEO da Xactly, para o Entrepreneur, 31 outubro, 2015 (adaptado)

 

 

É a época da queda das folhas, da celebração do Halloween e ainda, na Califórnia, USA , de outra tradição – o inquérito da Gallup sobre o envolvimento dos trabalhadores nas empresas. Os dados deste ano mostraram que 68 por cento dos inquiridos ​ não estavam envolvidos no seu trabalho. Esse número foi 5 por cento inferior ao do ano passado – demonstrando que o problema não apresenta uma melhoria de relevo.

Na verdade – e relacionando com o Halloween – o relatório leva a crer que as equipas são uma espécie The Walking Dead.

Como chefia reconhecendo-se nesta situação, esta informação pode deixá-lo a coçar a cabeça sobre o que exatamente fazer para levantar a moral geral. Afinal, até paga bons salários, tem ótimas instalações e até providencia o almoço. O que mais podem as pessoas querer?

A verdade é que, por vezes, algumas pequenas mudanças vão ajudar a repôr a moral nos pìncaros. Aqui estão algumas dicas:

1. Escute

Qual é o conselho comum que ouve dos CEOs de topo? “Escute mais.” De facto, para mim, como líder, não há nada mais valioso do que ouvir diretamente a minha equipa e tomar o pulso sobre o clima e energia da empresa. Não só obtenho uma grande visão sobre as coisas que estão a ser desenvolvidas ou precisam de ser melhorados, como demonstra aos funcionários que a sua opinião é valorizada no longo caminho para melhorar o envolvimento até aos níveis mais altos da nossa organização.

2. Dê feedback frequente.
Na realidade, a maioria dos colaboradores quer aprender e melhorar. Feedback regular é o mecanismo mais rápido para alcançar este objetivo. Não se limita a dar-lhes uma oportunidade para melhorar, mas também demonstra que está a investir na sua carreira, crescimento contínuo e sucesso. Por outro lado, o “feedback” também deve incluir feedback positivo. Nunca subestime o quão longe um genuíno “obrigado” ou reconhecimento de um trabalho bem feito podem ir. Como Richard Branson disse, “Forme as pessoas bem o suficiente para que eles possam sair; trate-as bem o suficiente para que elas não queiram fazê-lo! ”

3. Incentivar os riscos saudáveis.

Inove, disrupte, re-pense. Estas são todas palavras-chave na liderança atual. No entanto, muitas vezes, as empresas não criam uma cultura que realmente capacite as pessoas a assumir os riscos saudáveis ​​necessários para criar esse tipo de mudança. Falando da minha experiência pessoal, num dos meus empregos anteriores, fui uma vez despedido por dar a minha opinião e desafiar o status quo .
Lembre-se que nunca sabe de onde a próxima grande ideia na sua empresa pode surgir. Então, é fundamental que os líderes criem uma cultura onde os colaboradores saibam que serão ouvidos e, mais importante, apoiados na viabilização das suas ideias.  A Cultura é a nova moeda corporativa e para envolver os trabalhadores precisa de demonstrar que eles são valorizados e apreciados. Alterando a forma como qualquer um de nós se aproxima do nosso pessoal, acredito que podemos assegurar que a moral da equipa é ressuscitada e o envolvimento restaurado.